Histórico

GOUVÊA VIEIRA Advogados (GVA) nasceu no início dos anos 30, quando João Pedro Gouvêa Vieira estabeleceu sua banca baseada no compromisso com o profissionalismo e a excelência, dedicando-a à prática integral do Direito, com ênfase no direito fiscal e comercial.
Uma banca que evolui com a passagem do tempo, modernizando sua gestão e dedicando-se à sua missão com o mesmo empreendedorismo de seu fundador.
GVA é uma sociedade de advogados que dispõe de todos os recursos para tratamento das questões jurídicas, independente de sua complexidade. Tais recursos são direcionados às necessidades da comunidade de negócios, à qual o Escritório está capacitado a prestar um serviço abrangente e dedicado. Nossa base de clientes inclui empresas brasileiras e estrangeiras, na prestação de uma variada gama de serviços em transações nacionais e internacionais, nos âmbitos de planejamento, consultoria e contencioso.
A sua equipe jurídica compõe-se de advogados e consultores com experiência profissional em diversas áreas do Direito, que trabalham de forma integrada, com apoio de trainees e estagiários, para assegurar que o conhecimento desenvolvido em todos os campos possa ser rapidamente acessado e aplicado conforme a necessidade de cada caso.
O Escritório é equipado com moderna infra-estrutura tecnológica de uso específico na profissão e dispõe de uma biblioteca completa para atender a todas as demandas de nossos clientes com a máxima eficiência. Visando assegurar aos clientes a melhor cobertura geográfica com a prestação de nossos serviços, desenvolvemos uma rede de correspondentes e associados no Brasil e no exterior, com quem operamos harmoniosa e frequentemente.

Linha do Tempo

OS ANOS 30

A história do GOUVÊA VIEIRA ADVOGADOS se confunde com a de seu fundador, João Pedro Gouvêa Vieira. Trabalhando inicialmente no escritório de José Thomaz Nabuco, Gouvêa Vieira logo formaria sua própria banca, reunindo grandes talentos da época - jovens advogados unidos por um objetivo comum: dar suporte legal às empresas que se estruturavam no também jovem capitalismo brasileiro. Desde o início, o GVA colaborou no estabelecimento de novos negócios, tanto no setor público, como no privado, fortalecendo a vida empresarial do país e participando de seu desenvolvimento econômico. Neste período, inclusive, participou da nacionalização da primeira refinaria no Brasil, muito antes de ganhar repercussão nacional o debate sobre o petróleo.

OS ANOS 40

O fim da Segunda Guerra deixou como herança uma forte aliança entre o Brasil e os Estados Unidos. O mundo se reorganizava. No Brasil, o liberalismo econômico ganhou força, enterrando de vez o Estado Novo. O comércio entre os países aliados se intensificou. Na época áurea da navegação, com a comunicação iniciando a revolução que imporia ao mundo, Gouvêa Vieira teve participação ativa neste novo ambiente. Prestou serviços às empresas estrangeiras de telégrafos e atendeu às três maiores empresas do setor de navegação: a Inglesa Royal Mail, a francesa Chargeurs Réunis e a italiana Società Italiana di Navigazione. Cuidou também dos assuntos jurídicos das operações no porto do Rio de Janeiro. Destaca-se, nessa década, a orientação dada por Gouvêa Vieira para a criação, em 1945, do primeiro banco de capital estrangeiro com sede no Brasil, o Crédit Lyonnais. O modelo foi seguido por todos os bancos estrangeiros que passaram a operar no País e por aqueles que já se achavam trabalhando entre nós. A partir daí, o Escritório passou a atender a uma grande carteira de clientes formada por empresas francesas que se estabeleciam no Brasil.

OS ANOS 50

Em 1952 foi fundado o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico - BNDE, para financiar projetos de infra-estrutura. Além de ajudar a redigir o estatuto, Gouvêa Vieira integrou o seu primeiro conselho de administração. Com o objetivo de acelerar a industrialização do País, o governo Juscelino Kubitschek lançou o Plano de Metas e o lema “50 anos em 5”. Foi a fase da instalação da indústria automobilística, do surgimento da indústria de base e do desenvolvimento da construção civil. Em todos estes setores, GV foi atuante. Na ocasião, ocorreu a primeira compra, assessorada pelo Escritório, de uma empresa estrangeira por uma brasileira: a Companhia Brasileira de Petróleo Gulf, subsidiária da Gulf Oil Corporation, passou a ser Companhia Brasileira de Petróleo Ipiranga, atuando na distribuição de petróleo.

OS ANOS 60

Nessa década, em que a economia deixou de ser predominantemente rural, o País assistiu à urbanização acelerada e o GVA estava presente, atuando ativamente junto às indústrias que chegavam para o início do ciclo de substituição de importações e transferência de tecnologia. Em 1962 foi aprovada a Lei de Remessa de Lucros, que obriga o registro da entrada de capital estrangeiro, com efeito retroativo. O GVA recuperou, para seus clientes, documentos que foram trazidos para o País no século passado. Um trabalho que viabilizou a presença das empresas estrangeiras no Brasil. Foi o momento da instalação da moderna indústria do vidro, das avançadas indústrias cimenteira e farmacêutica e dos primeiros resorts turísticos. Afinado com o grande desenvolvimento dessa época, o Escritório prestou serviços a todos esses setores e também ajudou na criação do Pólo Petroquímico de Camaçari. 

OS ANOS 70

O resultado do “milagre” econômico foi fantástico e o Produto Interno Bruto deu um salto de quase 10% ao ano. O Brasil virou pólo de atração mundial de investimentos, o capital estrangeiro entrava maciçamente. O GVA acompanhou lado a lado as mudanças determinadas pelo governo, criando a engenharia jurídica para empréstimos externos, viabilizou o metrô, apoiou a expansão das companhias de seguro, adaptando seu funcionamento às leis e sugerindo novos caminhos. Trabalhou para o financiamento de grandes projetos estatais a cargo da Companhia Vale do Rio Doce e da Petrobrás. Na área de mineração, atuou na legislação que trata da concessão de lavra.

OS ANOS 80 E 90

Mais do que nunca, o setor empresarial requereu e contou com um parceiro jurídico, numa época de reestruturação de negócios em função de inflação alta e de planos econômicos, com quebra de contratos. Na dianteira dos acontecimentos, o GVA tornou-se parceiro do mercado de capitais, de bancos de investimentos e corretoras. A nova Lei de Sociedades Anônimas contou com a efetiva contribuição do escritório. Um dos sócios, Jorge Hilário Gouvêa Vieira, participou da fundação da Comissão de Valores Mobiliários, fazendo parte de sua primeira diretoria, de 1977 até 1979, e tornando-se o segundo presidente, de 1979 até 1981. O Escritório ofereceu ao mercado sua especialização neste segmento. O direito bancário e a emissão de títulos das empresas brasileiras passaram a ser as vedetes do momento. O caminho, então, apontava para a globalização e o GVA inaugurou sua filial em Paris sob a coordenação de Maria Isabel Neves Garcia dos Santos Nivault. Em 1994, o sócio Antonio Alberto Gouvêa Vieira foi eleito presidente da Câmara de Comércio França-Brasil, permanecendo no cargo até 1997. O sócio Carlos Maximiano Mafra de Laet foi nomeado membro-suplente da Corte Internacional de Arbitragem da Câmara de Comércio Internacional de Paris. Os advogados que integram o GVA emprestam sua experiência ao setor acadêmico, compõem órgãos da administração de empresas privadas e participam de governos.

O PRESENTE

GVA segue seu projeto de expansão, no Brasil e no exterior. No Brasil, construiu uma sólida base com parceria de escritórios para cobrir todo o território nacional com full service, respeitando as características regionais. No exterior, como passo seguinte à abertura do escritório em Paris, GVA deu início a uma maior aproximação com a Espanha, um dos maiores investidores estrangeiros no Brasil. Com esse objetivo, GVA assinou acordo de cooperação na Europa e nos Estados Unidos. Com mais de sete décadas de existência, Gouvêa Vieira Advogados participa cada vez mais ativamente da formação de um país economicamente forte, com base jurídica estável.

O FUTURO

GVA inspira-se em sua história de mais de setenta anos para continuar o caminho na construção de uma advocacia de resultados, amparada em rígidos princípios éticos e na experiência e qualificação de sua equipe. A missão que a impulsiona é preservar os valores que formam seus advogados com o mesmo espírito do seu fundador.

Escritório Gouvêa Vieira Advogados